A cidade perdida na China (Pequim)

As curiosidades da China levam-nos a uma viagem em que paisagens deslumbrantes se combinam com uma arquitetura característica e imponente e um património cultural bastante único. Na verdade, o gigante asiático é um dos países mais interessantes e sedutores de todo o planeta. Dos deuses da mitologia chinesa à incrível gastronomia típica , é uma nação que não para de nos surpreender. Hoje no Supercurioso quisemos ir fundo no país, para vos falar da cidade proibida da história, que durante muitos anos teve o poder de centro político nacional. Junte-se a nós para descobrir a origem e as curiosidades da cidade perdida na China.

A história da cidade perdida na China

A história da cidade perdida na China remonta a muitos séculos. Foi no ano de 1406 quando começou uma construção que não terminaria até quatorze anos depois. As primeiras fundações da Cidade Proibida na história foram feitas durante a dinastia Ming, e desde aqueles tempos distantes ela se tornou uma lenda. Localizado no meio da Velha Pequim, este edifício serviu como centro político da China até o final das dinastias, em 1911 . Vinte e quatro imperadores chineses governaram dentro de suas muralhas. Os tempos de paz e guerra eram administrados por dentro, sempre protegidos no maior sigilo.

A cidade perdida na China é um complexo arquitetônico, que por sua mera fachada já rouba olhares. Imponente e de estilo palaciano, é composto por 72 hectares, nos quais estão localizados 980 edifícios. A intenção da sua construção era que servisse de residência para os imperadores e que aí se instalasse a corte. Foi assim por mais de quinhentos anos. Hoje é o ponto mais importante de Pequim e ponto obrigatório para moradores e visitantes. As curiosidades e a história que ainda habitam suas paredes são talvez o aspecto mais fascinante da cidade imperial. Junte-se a nós para descobri-los.

Curiosidades da cidade perdida

1. A origem de seu nome

Iniciamos esta viagem pelas curiosidades da cidade proibida da história com a origem do seu nome. A estrutura é conhecida pelos locais como Zijin Cheng , que em espanhol significa Cidade Púrpura Proibida . Com este nome combinam-se os dois elementos que definiram a construção. É relacionado pela primeira vez com a estrela Zinei, que representa a Casa do Imperador Celestial. No segundo caso, o termo Jin significa proibido, supondo que o lugar fosse absolutamente hermético e que ninguém poderia entrar ou sair sem primeiro receber a permissão do imperador.

2. Acesso aos alunos
A cidade perdida na China manteve seu nome devido ao sigilo absoluto com que foi tratada. Apenas o imperador e sua corte poderiam ter acesso a ele. Suas regras eram tão rígidas que qualquer um que ousasse entrar sem ser convidado era condenado à morte. Mas a cada ano uma exceção era feita. Na China, havia um teste nacional chamado teste do imperador . Os alunos que obtiveram as melhores notas foram convidados a conhecer a cidade por dentro.

3. Tinha um fosso protetor
A cidade proibida da história adquiriu sua fama em parte por causa das estritas medidas de segurança com as quais foi administrada. Sendo a China uma potência de grande potência, os confrontos bélicos foram um elemento comum e repetitivo em sua história. Como este complexo era a residência do imperador, todas as medidas foram tomadas para torná-lo mais seguro. Uma delas era cercar toda a extensão da cidade por um grande fosso de 52 metros de largura, o que desencorajava os inimigos de tentar invadir a fortaleza.

4. Tem quase dez mil quartos
Já dissemos que a cidade perdida na China tem dimensões verdadeiramente surpreendentes. E seu interior segue bem esta linha. Todo o complexo está dividido em duas partes, o átrio externo e o átrio interno. É cercado por um muro de dez metros de altura, mas também abriga um total de 9.999 quartos no interior.

5. Arquitetura de números e cores

Outra curiosidade interessante da cidade proibida da história é sua arquitetura particular. Como falamos no ponto anterior, ele possui 9.999 quartos. Mas este não é um número aleatório. O oposto! O 9 simboliza a supremacia do imperador, por isso o vemos repetido nos mais variados elementos. Por exemplo, todas as portas são coroadas por 81 tachas douradas, que seriam nove horizontais e nove verticais. Em termos de cor, as guarnições, os telhados, os leões que protegem a entrada dos pavilhões e os dragões nos telhados, todos são em amarelo, a cor do imperador.

6. Salas de acordo com suas funções
Na cidade perdida da China, praticamente nada foi deixado ao acaso. Sendo projetado para funcionar como uma residência imperial, cada detalhe foi calculado com exatidão. Prova disso foi a construção dos seus quartos de acordo com a funcionalidade com que foram concebidos. Os cálculos no tamanho das salas foram feitos com extrema precisão, para que o resultado final fosse o espaço funcional perfeito. É exatamente o que podemos apreciar no design das salas mais importantes, o hall da Harmonia Central, Harmonia Conservada e Harmonia Suprema.

7. Uma coleção fascinante de relógios
E esta é uma das nossas curiosidades favoritas da cidade proibida da história. E é que a construção não foi apenas palco das reuniões políticas, mas também o espaço no qual seus habitantes puderam desenvolver seus hobbies. Um exemplo perfeito é o caso do último imperador da dinastia Puí, que adorava colecionar relógios , montá-los, desmontá-los e se perguntar como funcionam. O fato é que graças a esse hobby, a cidade perdida hoje abriga uma das maiores e mais espetaculares coleções de relógios do mundo. Além disso, é também o local onde repousam em média um milhão de obras de arte.

8. A Parede dos 9 dragões
Um dos pontos mais populares da cidade perdida da China, onde os moradores e visitantes param para tirar fotos, é a muralha dos nove dragões. É um grande painel de 30 metros de comprimento e 3,5 metros de altura, com 270 peças de cerâmica representando 9 dragões, o símbolo do imperador. Um lugar simplesmente chocante.

9. Costumes dentro das paredes

A Cidade Proibida da história testemunhou grandes momentos políticos na China, mas também os episódios mais interessantes na vida de seus habitantes. Por exemplo, sabe-se que os muros do centro da cidade dividiam as classes sociais e os colonos de acordo com o trabalho que realizavam. A área central e mais protegida era habitada pelo imperador. Naquele lugar moravam, como esperado, suas concubinas . E quem conseguiu dar-lhe um filho, conseguiu subir na sua posição social.

10. Local do Patrimônio Mundial
E encerramos esta viagem pelos segredos da cidade perdida da China, contando que desde 1961 este Palácio Imperial está sob proteção do Estado. E mais, desde 1987 é considerada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Além de ter um papel muito importante na história política e social do país, é uma referência majestosa à cultura e à arte do passado.

Via: Super Curioso

Deixe um comentário