Bitcoin movimenta R$ 27 bilhões em apenas três meses no Brasil

Apesar das recentes perdas, o Bitcoin registrou a marca de R$ 27 bilhões em movimentação só no primeiro trimestre de 2021. Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve um aumento de 20,9% no volume de Bitcoins negociados.

Contudo, para quem investe em Bitcoin, principal criptomoeda do mundo, não tem monotonia. O mesmo vale para quem possui outras moedas alternativas, como o Ethereum ou o Cardano.

Altas bruscas e quedas acentuadas fazem parte desse mercado. Algo que se repetiu na semana passada quando o Banco Central da China (PBOC).

A instituição afirmou em comunicado que as instituições financeiras e de pagamento do país não possuem permissão para estipular preços de produtos em qualquer moeda digital.

“O efeito manada preponderou e os especuladores se assustaram com a decisão de Pequim”, diz o co-fundador e sócio da Dynasty Global Investments AG, Fábio Asdurian, explicando que esse comportamento ocorre quando milhares de investidores se desfazem de um ativo.

“Alguns chegam até mesmo a quebrar contratos”, ressalta o fundador e CEO da empresa, Eduardo Carvalho.

Os executivos da Dynasty lembram que não é a primeira vez que a China adota uma postura contrária às criptomoedas. Isso já havia acontecido em 2017 e 2019, gerando quedas acentuadas no valor das moedas, normalmente seguidas de altas ainda mais fortes.

Apesar da restrição, o governo chinês não proíbe que as pessoas mantenham as criptomoedas compradas anteriormente. Estranhamente, as declarações do Banco Central chinês, que geraram volatilidade, ocorreram ao mesmo tempo em que o país sinaliza pretender criar sua própria moeda digital.

Vale lembrar que o mercado cripto também foi impactado recentemente quando o empresário Elon Musk, que sempre respaldou o Bitcoin, decidiu não mais aceitá-lo como pagamento na compra de seus carros elétricos da marca Tesla.

A decisão produziu queda no valor do Bitcoin, mas a moeda voltou a se recuperar.

Altcoins registraram crescimento de 250%, ultrapassando Bitcoin

Criptomoedas alternativas ao bitcoin estão com alta valorização no mercado. É o que mostra o levantamento da BitcoinTrade, plataforma de criptomoedas.

De acordo com o estudo, o volume de negociações com altcoins foi de R$350 milhões em abril de 2021, ante os 50 a 100 milhões dos meses anteriores.

“Por isso, este é um dado inédito aqui na BitcoinTrade e é reflexo de como o mercado brasileiro passou a se interessar por criptomoedas alternativas ao Bitcoin, como Ethereum, Ripple, Litecoin”, destaca Teixeira.

Dado inédito para a empresa, que analisou a base de quase 500 mil clientes cadastrados. “Este volume de negociações total em Abril foi o terceiro maior da história, justamente devido ao cenário estar mais favorável para as altcoins”, explica o CEO da BitcoinTrade, Bernardo Teixeira.

O Bitcoin tem sido extremamente valorizado desde março de 2020. Ele é a criptomoeda mais dominante do mercado – no início de março de 2021, registrou 69% de dominância.

Tendência é reflexo da expansão de conhecimento dos investidores
Investir em criptomoedas em geral requer estudos constantes, já que as atualizações acontecem diariamente, exigindo mudanças no rumo das aplicações. A boa notícia é que os internautas brasileiros aparentam estar cada vez mais inteirados com o mundo cripto.

De acordo com uma pesquisa da agência de marketing digital Conversion, encomendada pela BitcoinTrade, que consultou usuários da internet, 81,6% dos entrevistados sabem o que é Bitcoin e criptomoedas.

“Este é o primeiro passo para entrar no universo dos investimentos em moedas digitais: ter conhecimento no que deseja investir”, explica Teixeira.

Consequentemente, outro fator que implica nas negociações e investimentos é a confiança nos criptoativos, por ser um tipo de investimento que tem crescido recentemente no mercado brasileiro.

Ainda segundo a pesquisa, 33,33% afirmaram ter confiança alta ou muito alta para o Bitcoin e demais criptomoedas, sendo a maioria (41,18%) neutra.

Um estudo em paralelo, realizado pela BitcoinTrade com a sua base de usuários, mostra que 33% dos usuários da plataforma negociam a menos de 6 meses, enquanto 15% já investem entre seis e 1 ano.

Além disso, o levantamento aponta que apenas 12% estão há mais tempo nas negociações, entre 1 e 2 anos. Logo, entende-se que o interesse pelos investimentos em criptomoedas tem crescido ao longo do tempo no país.

Via: FinanceOne

Deixe um comentário