Bitcoin pode perder espaço para o Ethereum?

A primeira moeda virtual criada no mundo é também a mais famosa. Até quem não entende sobre o mercado de criptomoedas já ouviu falar e sabe o que é Bitcoin.

Tal fama pode ser explicada pelos grandes picos de valorização. Entretanto, sua força só não é maior devido à sua volatilidade: os preços podem cair ou subir muito em apenas um dia.

Porém, recentemente, especialistas voltaram a falar das criptomoedas prevendo um novo boom e a consolidação delas no mercado. E, um dos destaques é a Ethereum.

A moeda digital foi criada para funcionar dentro da plataforma de blockchain Ethereum, capaz de executar contratos inteligentes e aplicações descentralizadas.

A plataforma foi imaginada pelo programador canadense Vitalik Buterin em 2013 e ficou online no dia 30 de julho de 2015 com 11.9 milhões de Ethers pré-mineradas do ICO.

Desde então, a plataforma vem ganhando cada vez mais adoção entre pesquisadores, empreendedores e programadores que desejam criar soluções reais utilizando a blockchain e a tecnologia do Ethereum.

Diferença entre Bitcoin e Ethereum

O propósito do Bitcoin é ser utilizado com uma moeda, ou seja, um meio de transferir valores. O foco do Ethereum, por sua vez, é ser uma plataforma que permite a programação de aplicações descentralizadas e contratos inteligentes.

A alimentação deste sistema é feita pela criptomoeda Ether que, em pouco tempo, se transformou na segunda principal criptomoeda do mundo.

Apesar da plataforma Ethereum ser um tanto quanto parecida com o Bitcoin, a criptomoeda conta com uma diferença importante em relação à sua principal concorrente: o crescimento alucinante em um curto espaço de tempo.

No ano passado, a cotação do Etherum avançou mais de 560%. Já a cotação Bitcoin teve um aumento um pouco mais modesto no ano de 2020 – mas ainda bastante elevado, avançando mais de 430% ao longo do ano.

Em qual investir?

Ethereum Ether e Bitcoin têm muitos fatores que contribuem para as suas avaliações.

Para especular sobre as avaliações de criptomoedas como a Bitcoin e Ether, os investidores devem fazer perguntas-chave, como:

– Como é cada moeda usada?
– Quão amplamente é hoje aceito? Quão amplamente aceito será no futuro?
– O que é que os dados históricos nos podem dizer sobre este instrumento?

Embora a Bitcoin tradicionalmente tenha uma avaliação de preço mais alta do que a Ether, é importante observar que o mercado de criptomoedas até agora tem sido altamente volátil e provavelmente continuará a permanecer volátil.

Em contraste com as ações, mercadorias ou mesmo moedas reguladas centralmente, o valor subjacente de uma criptomoeda não é claro.

Outros criptomedas devem se valorizar ainda mais, diz especialista

O CEO da BlueBenx, Roberto Cardassi, afirma que o Bitcoin valorizou muito em 2020 e o Ethereum mais ainda, mas elas não são as únicas moedas ou opções desse setor.

O especialista ressalta que tem ganhado cada vez mais espaço no mercado e que devem entrar na carteira do investidor.

“Opções como NTFs, DeFis e até Staking podem ser vantajosas, dependendo da estratégia e perfil do investidor. O mercado tem muito potencial e vai continuar crescendo nos próximos meses e é preciso ficar atento a ele aproveitando as oportunidades”, explica Cardassi.

Via: FinanceOne

Deixe uma resposta