Elefantes perdem cerca de 500 litros de água em dias quentes

Apesar de terem se adaptado ao calor extremo nas últimas décadas, um novo estudo publicado na Royal Society Open Science descobriu que os elefantes perdem uma quantidade absurda de água durante dias quentes. De acordo com os pesquisadores, estima-se que alguns espécimes podem perder até mesmo 10% da sua massa corporal em um único dia.

A descoberta evidência ainda mais a importância da hidratação para a sobrevivência da espécie. Por outro lado, o documento também ressalta a preocupação sobre a escassez de recursos hídricos causada pelo aquecimento global, o que pode aumentar disputas entre a população de elefantes e seres humanos em lugares críticos.

Perda de água
null

Para checar os efeitos da alta temperatura na perda de água dos elefantes, uma equipe do Zoológico da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, utilizou deutério — também conhecido como “hidrogênio pesado” e que dispersa na água do corpo — para medir a desidratação dos animais.

Ao longo de 10 dias, os pesquisadores coletaram amostras de alguns espécimes e avaliaram a força do deutério na corrente sanguínea para determinar quanto líquido havia sido perdido. O resultado final mostrou números muito acima do normal para a espécie.

Em dias frescos, quando a temperatura fica na casa dos 6ºC a 14ºC, os elefantes perderam cerca de 324 litros de água por dia. Já em momentos nos quais o clima extrapolou a marca dos 24ºC, os animais perderam, em média, 427 litros no intervalo de 24 horas. Em casos mais graves, a perda de líquido bateu os 516 litros.

Resultado final da pesquisa
null

Mesmo que o estudo tenha sido feito com uma pequena amostra de paquidermes em cativeiro, os cientistas colocaram a ressalva de que o experimento serve para comprovar como o fornecimento de água potável é fundamental para que as populações destes animais sigam uma vida saudável em seus habitats.

Na maioria dos casos, a espécie até consegue diminuir os impactos da perda de líquido através de mudanças metabólicas. Porém, o documento garante que a desidratação por períodos prolongados de até 48 horas pode ser fatal.

A poluição das fontes de água é outro fator agravante. Em 2020, centenas de elefantes morreram sem diagnóstico no Botsuana. Apesar do governo local afirmar ser resultado de contaminação dos recursos hídricos por toxinas naturais, existe a possibilidade de conflitos humanos na região terem gerado o problema.

via megacurioso

Deixe uma resposta