ZroBank: banco digital lança cartão com cashback em bitcoin

null

No início de 2021, o banco digital ZroBank anunciou um novo cartão de débito com cashback, ou dinheiro de volta, em bitcoins para os seus consumidores. De acordo com a empresa esse é o primeiro produto com essa funcionalidade no Brasil.

al serviço integra operações em reais e em bitcoins e permite realizar pagamentos pelo aplicativo Telegram, segundo o banco digital.

O cashback será de 0,5% sobre o valor dos pagamentos acima de R$ 10 feitos com o cartão e o benefício é válido tanto para novos usuários quanto para os que já têm o cartão de débito Visa.

A empresa ainda destaca que os correntistas poderão escolher como utilizar esses créditos, entre novas compras, transferências ou acumulação da moeda digital, que vem tendo altas em sua cotação desde o quarto trimestre do ano passado.

De acordo com o ZroBank, todas conversões em reais do saldo de criptomoedas acumulado pelo cashback serão instantâneas na plataforma. A instituição bancária deseja que todos os usuários consigam aproveitar o momento de valorização do bitcoin.

“Neste momento em que o bitcoin vem batendo máximas históricas em dólar e em real, queremos estimular novas experiências de uso com a criptomoeda. Nossa ideia é oferecer um ganho real, já que o cliente não tem de subtrair taxa nem anuidade do cartão”, explica Edisio Pereira Neto, CEO do Zro Bank. (Informações retiradas do Valor Investe).

Aplicativo ZroBank já possui mais de 100 mil downloads

Além dessa novidade, o banco digital anunciou que atingiu um total de 103.978 downloads de seu aplicativo desde o lançamento, que ocorreu em setembro de 2020.

O banco digital ZroBank oferece serviços bancários, exchange e carteira digital em um aplicativo com diversas funcionalidades, como: transações, emissão de boletos, pagamento de contas, conversão reais-bitcoins em tempo real e pagamento por meio de um chat integrado com o aplicativo Telegram.

O banco pretende que essa integração com o aplicativo de mensagens (Telegram) permita os usuários criarem grupos em chats com propósitos financeiros, para cobranças e pagamentos quase imediatos, como ocorre no WeChat: principal aplicativo de pagamentos da China.

Outra meta da empresa é agregar outros ativos financeiros à plataforma, como o dólar, euro, ouro e mais criptomoedas.

A fintech que está sediada em Recife (PE) destaca ainda que está em negociação com fundos de investimentos nacionais e internacionais para uma primeira rodada de captação, sob controle da consultoria Deloitte e com foco em uma expansão internacional.


via Foregon

Deixe um comentário